quarta-feira, julho 25, 2007

O sabor do Pecado

Quatro pedras de gelo numa taça de vinho resfriada, sendo preenchida com um belo vinho tinto suave, fazendo as pedras de gelo se emergir numa dança que lembra mais um crucifixo gelado.

Beber nessa taça é como aproveitar cada momento de um pecado que envolve a carne, a mente e a língua.

Sentir o dissolver do gelo misturado com o sabor do vinho num toque frio de uma taça provocante, faz lembrar as curvas e os medos que corpos “inocentes” têm nos momentos antes de serem devorados.

Infelizmente o prazer pecaminoso dessa taça acaba quando todo o seu conteúdo é tomando ou quando suas curvas são devoradas por uma língua insaciável.

E como somos pecaminosos, adoramos experimentar novos sabores, novos vinhos, novas taças e novos corpos sejam eles inocentes ou pecaminosos.

Eu sempre bebo mais de duas taças com vinho quando resolvo pecar, e você, peca quantas vezes enquanto devora uma alma?

quinta-feira, julho 19, 2007

Tac e Tic...


Artigo finalizado.

Dores aumentando.

E sono se acumulando.

Tudo que eu precisava nessas férias.

Mas claro que tudo tem o seu lado ruim.

No meu caso esse lado ruim se chama, tempo.

Quando não estava de férias, eu tinha tempo.

Agora me falta tempo.

Faltam-me opções de escolhas que necessitam desse tempo.

Eu que odeio quando as pessoas me pedem tempo.

Agora fico precisando de tempo.

Mesmo esse tempo sendo um tempo diferente.

É um tempo que me ajudará a formular novos jogos.

E a dar uma direção na minha vida.

Deixando que as escolhas dos outros interfiram nos meus jogos.

E deixar de sempre ser escolhido e não escolher.

Fazendo assim, que as escolhas deles sejam na verdade as minhas escolhas.

É...

Haverá lágrimas!

quinta-feira, julho 12, 2007

Eu Li suas Mãos Com Atenção e fiquei Intrigado

Viagem perfeita. Lugar Maravilhoso (em partes). Novas amizades adoráveis. Aprendizagens interessantes.

Este congresso, do qual eu participei dele todinho (palavra de escoteiro), foi o melhor congresso que já fui. Deve ter sido por causa do lugar e das pessoas que conheci pessoalmente.

Foi um congresso onde eu pude colocar em prática meus adoráveis jogos e brincadeiras, que foram pensados semanas antes aqui em casa no meu cantinho escuro onde fico vagando no meu palácio da memória. Lógico que nem todos os jogos deram certos, mas, eu mesmo assim eu gostei.

Que graça teria se todos os jogos dessem certo? Eu ficaria feliz por um tempo, mas voltaria a ficar entediado novamente. Para mim, jogos e brincadeiras são como problemas matemáticos, quando você está resolvendo você se empolga, quando termina fica satisfeito por algum tempo e logo acha o problema fácil ou tedioso.

Mas nesta viagem não, nesta viagem, além de curtir muito, de conhecer várias coisas e pessoas teve uma coisa que me intrigou. É, conheci melhor uma pessoa e vi coisas que me deixou intrigado. Gostei disso, pois foi uma pessoa que eu não consegui ter uma conclusão e sim duas. Não se devem ter duas conclusões de uma pessoa, somente uma. Apesar de eu não ter conseguido achar nenhuma premissa que me leve a ter uma única conclusão a respeito dela, ainda, notei que essa pessoa é que nem eu, composta.

Admiro pessoas assim. É esse tipo de pessoas que eu gosto de discutir conhecimentos, trocar informações, aprender, desfrutar novos gostos, mudar algumas qualidades defeituosas, é esse tipo de pessoa que consegue me persuadir com apelos a minha vaidade intelectual sem ao menos saberem que estão me persuadindo.

O titulo do blog é na verdade o nome da pessoa em forma de anagrama. Peguem as letras maiúsculas e divirtam-se. Apesar do titulo soar estranho, é o que eu realmente faço, leio as mãos, os movimentos que elas denotam, para depois conseguir uma conclusão.

P.S. Quando digo que participei do congresso todinho, não estou falando do curso em si, mas das festas que rolou durante ele.