segunda-feira, janeiro 08, 2007

Ano novo e vida...

Finalmente a reforma acabou. Do jeito que demorou dava para construir outra casa, que pedreiros lerdos! Mas tirando isso, o fim de ano, foi ótimo, apesar da festinha que fui, com a família, ter sido tediosa no começo, melhorou depois de uns 6 copos de vinho e umas olhadas para as namoradas da turminha da minha prima, da qual eu considero “colegas de 1 minuto de papo”. Nisso, fico a conversar com as meninas, a rir a ter q dividir meu copo de vinho, fico feliz por ter mais alguém bebendo alguma coisa perto de mim a não ser refrigerante.

Chega o ano novo, dou e recebo felicidades de pessoas que só conheço por vista e de pessoas que nunca acharia que estaria abraçando. Sabe aquelas pessoas que você só conhece por vista e do nada pega amizade? Pois é, isso não aconteceu, só dei felicidades e pronto.

Minha salvação foi umas amigas que tinha acabado de sair da igreja (elas devem ir a igreja para lavar os pecados, só pode) e resolvemos buscar outra amiga e sair. Ficamos numa lanchonete e logo apareceu mais um amigo junto com seus primos, então começa a nos divertir até a cerveja do local acabar (calma, não bebemos tudo, chegamos tarde e muita gente estava no local).

Volto para a minha casa, já estava meio sonolento, acordo e já tem gente para o almoço, algumas pessoas da festinha, os colegas de 1 minuto de conversa. Trouxeram vídeo game e fomos jogar na sala, nisso eu jogava e bebia. Até novamente minhas amigas aparecerem. Fomos numa casa de uma mãe de uma amiga nossa dar feliz ano, nisso ficamos horas lá bebendo e conversando. Resumindo passei o primeiro dia do ano bebendo, terrível isso, posso me tornar um alcoólatra, um viciado em álcool, um Bira.

Às vezes me pergunto: “Será a bebida que me faz feliz ou eu tinha uma proporção para a felicidade?” e “O dia é feito de 24 horas e uma caixa de cerveja tem 24 garrafas, será uma coincidência?”

Um comentário:

dem disse...

tem a tal da cirrose também, cuidado.